Cariri Sustentável

Sistema Agroflorestal fortalece a agricultura familiar no sítio Jurema, em Juazeiro do Norte

A técnica produz alimentos saudáveis, livres de agrotóxicos e ajuda na preservação do meio ambiente.
Por Márcio Silvestre • 7 de fevereiro de 2019

A experiência de agricultura sintrópica e implantação do sistema agroflorestal do Sítio Jurema, em Juazeiro do Norte tem pouco mais de um ano, mas os agricultores familiares beneficiados com a técnica já comemoram os resultados. O sistema agroflorestal foi desenvolvido pelo Agricultor e Pesquisador Suíço, Ernst Götsch, para melhorar a qualidade da produção agrícola e possibilita a recuperação de solo e fontes.

Agricultor Pedro Gonçalves exibe beterraba cultivada na agrofloresta (Foto: Márcio Silvestre)

As Agroflorestas constituem sistemas de uso e ocupação do solo combinando espécies arbóreas lenhosas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas e/ou animais, de forma simultânea ou em seqüência temporal e que interagem econômica e ecologicamente. No sítio Jurema, o Agricultor Familiar, Pedro Gonçalves, do Condomínio de Produção Familiar Dona Bia, avalia de forma positiva o método que garante a produção de um alimento saudável e contribui para a preservação do meio ambiente.

Na perspectiva do desenvolvimento rural sustentável, o método busca utilizar os recursos do ambiente para melhorar a condição e fertilidade do solo, cobrindo-o com milho seco, folha de bananeira, capim triturado, insumos naturais e recursos orgânicos necessários para desenvolver o sistema.

Agrofloresta do Sítio Jurema (Foto: Márcio Silvestre)

Como forma de incentivo aos agricultores familiares adotarem a técnica, a Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, através da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seagri), possibilitou o primeiro contato dos agricultores do Sítio Jurema com a técnica, com um curso de preparação do solo e implantação do sistema agroflorestal e prática sintrópica, em outubro de 2017. A Seagri continua realizando acompanhamento técnico aos agricultores, ressalta o Engenheiro Agrônomo Abelardo Arraes. “O plano de acompanhamento técnico é dividido por territórios, todos os dias  os profissionais da secretaria prestam assistência técnica, em sítios e comunidades. Damos dicas e sugestões sobre culturas que tenham viabilidade econômica e compensem ser cultivaras pelo agricultor”, explica.

Joana Gonçalves mostra o cultivo sustentável. (Foto: Márcio Silvestre)

A Agricultora, Joana Gonçalves, abraçou a ideia do sistema com entusiasmo, desde o primeiro curso. Ela aponta que as mudanças mais significativas são sentidas na prática. “Como na sintropia uma planta ajuda a outra a se desenvolver, a gente não precisa usar fertilizantes para inibição de pragas. Melhorou a questão da adubação do solo, o trabalho reduz e a produção cresce, como se planta várias espécies juntas, a gente conseguiu aumentar as vendas”, afirma Joana.

Ao todo já foram plantados 73 espécies, entre plantas frutíferas, hortaliças, madeireiras e nativas, no sítio Jurema. Em menos de dois anos a Agrofloresta já está robusta, facilitando o manejo do solo e reduzindo a incidência do sol sobre o agricultor, que agora trabalha na sombra, contribuindo com o meio ambiente e tendo a certeza de que está produzindo um alimento saudável.

 

Márcio Silvestre

Márcio Silvestre

Formado pela Universidade Federal do Cariri (UFCA), com experiência em Assessoria de Imprensa e Produção Cultural. "A comunicação e a arte se cruzam no meu caminho. Descobri no jornalismo a oportunidade de contar histórias e compartilhar conhecimento".