Cariri Sustentável

Lixeiras e bebedouros sustentáveis: ideia criativa une robótica e materiais recicláveis

Por Edição Cariri • 27 de novembro de 2020

Por Joelton Barboza

Apostar em práticas sustentáveis visando a preservação e o cuidado com a natureza deveria ser uma ação cada vez mais praticada pelas pessoas, considerando a escassez de recursos naturais e a grande poluição do planeta. Reutilizar é um dos atos que várias empresas vêm adotando como forma de contribuir com a saúde do planeta e, consequentemente, da humanidade.

Na cidade de Crato/CE, o colégio Santa Teresa de Jesus teve uma iniciativa exemplar, aderindo ao conceito de sustentabilidade dentro das matérias que compõem a grade curricular. Através da disciplina de robótica foram desenvolvidos lixeiras e bebedouros com sensor de aproximação. O mais legal de tudo é que foram utilizados materiais recicláveis na confecção.

O projeto tem a frente os professores Marco Siebra e Erico Nobre como tutores. Ao todo foram desenvolvidos cinco bebedouros e mais de 20 lixeiras, que já estão distribuídos pelos espaços do colégio. “Levando em consideração o cenário que nos encontramos atualmente a nível mundial, pensamos no cuidado com os nossos alunos, então esse projeto foi desenvolvido na intenção de preservar a saúde deles e propiciar um ambiente seguro para um possível retorno às aulas presenciais”, disse Marco.

Além dos equipamentos eletrônicos que fazem parte da disciplina, foram utilizados cano PVC, restos de materiais de construção como tapumes, que serviu para a construção de uma parte da estrutura, além de embalagens de margarina que serviram de proteção para os materiais eletrônicos nas lixeiras, de modo que pode ser mantida a sua visualização, devido a transparência do aparelhamento.

O intuito é que as crianças e os jovens não mantenham contato físico com os equipamentos durante o uso, esse foi o princípio básico para desenvolver a ideia e colocá-la em prática. Os dispositivos fazem parte de um processo automático que o aluno apenas precisa se aproximar para que o dispositivo seja acionado automaticamente.

O professor Marcos destaca que a robótica é transdisciplinar e interage com as demais do colégio, logo ela não ficou única nesse processo, pois ela conversa com a matemática, física, ciências, geografia, português e todas as disciplinas afins. No projeto foram utilizados materiais geralmente encontrados nas residências das pessoas. “Visamos a utilização de materiais práticos e fáceis de serem encontrados por alguém que queira desenvolver o projeto fora da escola”, frisou.

Houve diversas modificações desde a concepção do projeto até a construção, pois algumas das ideias iniciais não atendiam a todas as demandas, então teve modificação ao ponto de conseguir atender as demandas e necessidades do aluno dentro da escola. Com isso, foi 1 mês para estar apto a ser aplicado na instituição.

Edição Cariri