Cariri Sustentável

Fontes de energia renováveis ganham destaque no país e no Ceará

Distribuição de energia solar mais do que dobrou no Ceará nos últimos 12 meses
Por Edição Cariri • 5 de novembro de 2020

 

Por Joelton Barboza

O mundo cada vez mais está apresentando o reflexo de centenas de anos de uma exploração exacerbada e irregular. Diante de tais acontecimentos, uma forma de desacelerar o processo de desgaste do meio ambiente e da terra, é optar por medidas que visam a sustentabilidade. Uma dessas formas é o uso de energia renovável, como por exemplo a solar e a eólica. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaíca (ASOLAR) o consumo de energia elétrica no Brasil durante o mês de outubro deste ano apresentou crescimento de 1,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Dentre todas as fontes de geração de energia, a solar é a forma mais barata de gerar eletricidade, segundo a Agência Internacional de Energia que afirma isso em seu relatório anual World Energy Outlook 2020, publicado recentemente.

Além do baixo custo, a opção também não agride o meio ambiente e é uma ótima opção para fomentar a sustentabilidade no país e no mundo. Segundo o Canal Solar, o setor cresceu 25% no terceiro trimestre de 2020. Um levantamento realizado com base em dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), destaca que a fonte solar atingiu cerca de 520 Megawatt (MW) de potência no terceiro trimestre deste ano, uma alta de 25% com relação aos 415 MW registrados no mesmo período de 2019.

Panorama no Ceará

Segundo dados da Aneel, o Ceará tem 11.162 unidades consumidoras com geração distribuída fotovoltaica, com uma potência total de 135,4 megawatts (MW).  Ao todo, 178 municípios cearenses contam com sistemas de geração distribuída. O Ceará é o 10º estado brasileiro com o maior número de unidades consumidoras e o segundo do Nordeste, atrás apenas da Bahia.

Com isso, o segmento de geração distribuída fotovoltaica mais do que dobrou no Ceará nos últimos 12 meses, registrando um crescimento acima da média nacional. Sendo assim o número de residências e estabelecimentos comerciais que geram sua própria energia por meio de placas solares aumentou 172% no Estado, enquanto no País o avanço foi de 136% no mesmo período. No Ceará, as residências respondem por 70% das unidades consumidoras, o equivalente a 7.867 unidades, e o comércio por 21%, com 2.365. O restante está dividido entre consumidores rurais, industriais e pelo setor público.

Energia solar em Juazeiro

Na região do Cariri e principalmente em Juazeiro do Norte essa forma sustentável de geração de energia começa a ganhar fôlego. O primeiro equipamento público a ter placas solares instaladas foi o Ginásio Poliesportivo, em 2018, com objetivo de geração de energia renovável e assim promovendo economia aos cofres públicos.

No último dia 30 de outubro a Universidade Federal do Cariri (UFCA) comunicou a instalação de 636 módulos da usina solar nos prédios do campus
de Juazeiro do Norte. A previsão é de que essa potência atenda entre 20% a 30% do consumo mensal de energia do campus. O investimento total na usina foi de mais de R$ 1 milhão e o tempo de retorno estimado, segundo a Diretoria de Infraestrutura (Dinfra), é de 5 anos.

O ramo dos negócios também é outro setor que começa a investir na geração de energia solar. Também em Juazeiro do Norte, o empresário Junior Feitosa investiu e instalou 150 placas solares no seu restaurante, que irá começar a gerar energia nos próximos dias. Segundo Junior, o Taberna da Carne vem buscando cada vez mais fazer o seu papel enquanto empresa sustentável.

Junior destaca que a energia solar hoje é uma tendência mundial, sendo que na região do Cariri é favorável pois o sol contribui para a geração. “A energia é uma responsabilidade inquestionável, então a gente buscou otimizar a questão do custo com a instalação das placas e, por outro lado, vemos como uma forma de utilização correta, que vai estar oportunizando essa nova tendência”, destacou.

Edição Cariri