Arte e Cultura

Espetáculo discute facetas do machismo na sociedade

Por Márcio Silvestre • 9 de março de 2019

Foto: Henrique Kardozo

Quando se faz necessário uma dieta para caber no mundo sob risco de vida e agressão, é por que esse mundo anda muito doente. O machismo, a violência contra mulher e o feminicídio são as temáticas abordadas no espetáculo “Aquelas – uma dieta para caber no mundo”, da Cia. Manada de Teatro. A dramaturgia remonta a história de Maria de Bil, santa popular da cidade de Várzea Alegre-CE, assassinada em 1926 pelo seu “companheiro”, transformada em mártir e que até hoje é ícone de devoção do povo da região.

O espetáculo surgiu a partir de angústias pessoais das atrizes Juliana Veras e Monique Cardoso, inquietações quanto mulheres, relações abusivas e de constrangimento pessoal que já vivenciaram. “Nós precisávamos entender o que queríamos dizer. O início do processo partiu do corpo, ainda não tínhamos um texto, nem música, apenas a angústia pessoal. Levávamos essas questões para a sala de ensaio. O que o nosso corpo trazia nos ensaios, nós percebíamos que era o que estava precisando ser vomitado”, afirma Monique sobre o processo de montagem.

Foto: Constance Pinheiro

A obra faz um convite para o público participar de um jogo através do preparo de um indigesto jantar envolvendo facas, carne, sangue e outros elementos, oferecidos à mesa com os corpos das próprias atrizes/performers. “Dentro dessa poética, o corpo mostra uma degradação. Procuramos contemplar os vários tipos de violência monstruosos, mas que estão na esfera micro. Você esfaquear alguém é uma grande opressão, mas existe um sistema de outras opressões que as mulheres sofrem no seu dia a dia”, ressalta Juliana.

A relação com o público vai desde o choque, ao perceber que tipo de relações as pessoas têm reproduzido, até a sororidade de muitas mulheres que começam a perceber situações de opressões vivenciadas por elas. “Já fomos abordadas por espectadoras e espectadores com os olhos carregados de lágrimas por reconhecer que já passaram por algum tipo de abuso”, comenta Juliana sobre as reações provocadas pelo espetáculo. “Também algo muito delicado e complicado é quando há na plateia um opressor, que consegue se perceber e refletir sobre o que está fazendo da vida e com as mulheres que ele diz gostar”.

Aquelas – Uma dieta para caber no mundo está representando o teatro cearense no Festival  SESC Palco Giratório Brasil – 2019. “A gente está com uma alegria e uma responsabilidade imensa de representar o Ceará no Palco Giratório, circuito nacional. Começaremos em abril, pelo Estado da Bahia, e até setembro apresentaremos em todas as regiões do país”, afirma Monique sobre as apresentações previstas para 2019. O espetáculo esteve no Cariri entre os dias 07 e 08 de março. Aquelas será apresentado no dia 17 no Theatro José de Alencar, em Fortaleza.

Foto: Constance Pinheiro

Estatísticas do feminicídio

De acordo com dados do Painel de Violência contra Mulheres, no Brasil 4.635 mulheres morreram em decorrência de violência, em 2016. O painel foi criado pelo Senado, através da iniciativa do Observatório da Mulher contra a Violência, e lançado no mês de fevereiro de 2019, estando em fase de atualização dos últimos anos.

O painel é uma ferramenta que consolida, sistematiza e apresenta dados oficiais de homicídios, agravos de notificação da saúde (violência doméstica), ocorrências policiais e processos judiciais relacionados à violência contra mulheres no país e em cada estado nos últimos anos. Para utilizar o painel, basta acessar o link: http://www9.senado.gov.br/painelstrans

CATEGORIA:

Márcio Silvestre

Márcio Silvestre

Formado pela Universidade Federal do Cariri (UFCA), com experiência em Assessoria de Imprensa e Produção Cultural. "A comunicação e a arte se cruzam no meu caminho. Descobri no jornalismo a oportunidade de contar histórias e compartilhar conhecimento".