Cariri Sustentável

Desmatamento na Amazônia bate novo recorde em 2020

Por Márcio Silvestre • 12 de junho de 2020
Foto: Greenpeace.

O desmatamento da Amazônia tem crescido a níveis alarmantes. Nos primeiros cinco meses de 2020, a floresta, que reúne grande parte da biodiversidade brasileira, sofreu a maior devastação apurada desde 2015, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) passou a medir o desmatamento da floresta. A consciência ambiental, cuidado com o meio ambiente e maior organização da sociedade civil são alternativas fundamentais e urgentes para proteger as florestas contra os crimes ambientais.

No período de agosto de 2019 e abril de 2020, o desmatamento da Amazônia foi 94% maior do que nos 12 meses anteriores. Neste intervalo, a área desmatada na Amazônia totalizou 5.666 km².O acumulado dos primeiros quatro meses do ano já é de 1.703 km², uma área maior que a cidade de São Paulo (1.521 km²). Os dados são do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter-B), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A floresta tem passado pelo período mais crítico dos últimos anos. Queimadas, grilagem e extração da madeira são as principais ameaças para Amazônia. O triste cenário é agravado pela MP 910, mais conhecida como MP da Grilagem, que permite a legalização de terras desmatadas em anos anteriores. Uma campanha lançada pela WWF-Brasil, com conjunto com o GreenpeaceGT InfraInstituto SocioambientalISPN (Instituto Sociedade, População e Natureza) e Observatório do Clima visa conscientizar a respeito dos perigos que a MP representa.

 

Márcio Silvestre

Márcio Silvestre

Formado pela Universidade Federal do Cariri (UFCA), com experiência em Assessoria de Imprensa e Produção Cultural. "A comunicação e a arte se cruzam no meu caminho. Descobri no jornalismo a oportunidade de contar histórias e compartilhar conhecimento".