img_0416
Economia e Negócios, Notícias, Políticas Públicas, Reportagens 0

Aumento: Tarifa do transporte intermunicipal sobe para R$ 2,20

Em vigor a partir de hoje, 03, o aumento de 30 centavos deve atingir 20 mil pessoas que usam o transporte diariamente. Revisão tarifária foi homologada pela ARCE e aprovada pelo DETRAN.

[atualizado às 14h45min]

Os valores tarifários dos transportes intermunicipais da Região Metropolitana do Cariri sofreram reajuste médio de 13,62%, referente à revisão ordinária dos insumos operacionais. A partir de hoje, quinta-feira, 03, as tarifas intermunicipais para linhas de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha passam de R$ 1,90 para R$ 2,20. O aumento foi anunciado dia 02, quarta-feira, no portal online do DETRAN.

A meia passagem para estudante sobe para R$ 1,10 para Crato – Juazeiro e Juazeiro – Barbalha. Quem utiliza o transporte de Juazeiro à Missão Velha pela concessionária Via Metro deverá bancar a tarifa de R$ 4,20 (sendo a meia passagem por R$ 2,10). Já quem vai pelo seccionamento Missão Velha – Barbalha, o valor sobe para R$ 2,85 (com meia de R$ 1,40).

O aumento de 30 centavos no preço da passagem intermunicipal do Cariri já era esperado pela parcela da população que depende do transporte. Ainda no mês de outubro a empresa Via Metro passou a circular um aviso de reajuste, o qual seria aplicado a partir do dia 17 daquele mês.

carteira-estudantil-20121

Crato – Juazeiro e Juazeiro – Barbalha sobe para R$ 2,20. Meia passagem fica em R$ 1,10 (Foto: SINTRO / Reprodução)

Poucos dias depois, o anuncio foi recolhido e a passagem permaneceu no valor de R$ 1,90. À época, a reportagem da CARIRI Revista entrou em contato com a ARCE, DETRAN e empresa Via Metro para esclarecimentos sobre o processo, recebendo a resposta de que a revisão estava em avaliação.

A revisão dos percentuais é elaborada pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (ARCE), prevista no edital de concorrência pública de nº 002/2009/DETRAN/CCC, e o valor final é dado pelo Departamento Estadual de Trânsito (DETRAN) e a empresa concessionária.

Reajustes tarifários dos transportes coletivos acontecem todos os anos, tendo o último acontecido em agosto de 2015. São previstas revisões e reajustes, onde a primeira faz referência ao processo inflacionário e a segunda compete aos insumos operacionais e acontecem a cada três anos, após dois reajustes consecutivos.

A atualização dos valores das passagens de ônibus intermunicipais vigorará nas Regiões Norte, Cariri, Centro-Sul, Inhamuns, Sertão Central, Litoral Oeste, Maciço de Baturité, Jaguaribana e Litoral Leste, atendidos pelas transportadoras: Expresso Guanabara, Via Metro, Princesa dos Inhamuns, Fretcar e São Benedito.

IMPACTO DO AUMENTO

Pelo menos 20 mil pessoas utilizam o transporte intermunicipal, segundo dados da empresa Via Metro no Cariri. Por semana, estima-se o número 100 mil usuários. Entre eles está o universitário Anderson Arraes, 22, morador do Crato, que depende do ônibus para chegar até à Universidade em Juazeiro do Norte e realizar suas tarefas cotidianas.

Antes do aumento, Anderson gastava R$ 106,4, por mês, apenas com passagens, o que já era um alto custo em seu orçamento reduzido. Agora ele calcula que precisará desembolsar R$ 123,2 mensais, pelo menos.

“Todo aumento na passagem impacta no meu poder de compra”, afirma o estudante de Engenharia de Materiais, atualmente desempregado. “Terei que fazer cortes em outras áreas da vida para bancar meu deslocamento. Isso reduz minha qualidade de vida”, explica.

Anderson critica o aumento, mas acredita que o serviço de transporte coletivo seja indispensável à população.

Anderson critica o aumento, mas acredita que o serviço de transporte coletivo seja indispensável à população (Foto: Alana Maria)

Mesmo com os sucessivos reajustes e revisões, Anderson avalia como indispensável os serviços de transporte coletivo e não pensa em comprar um automóvel. Mas cobra: “o Estado e os municípios deveriam investir mais na expansão e qualidade dos coletivos”.

Fazer mais de duas viagens diárias já é comum na vida da secretária Nayana de Paiva, 28 anos, moradora do bairro São José, em Juazeiro do Norte. Por vezes, as imposições do dia a fazem girar a catraca quatro vezes ou mais. “Gasto tanto com transporte que se pudesse usar esse dinheiro para outra coisa, pagaria um plano de saúde”, afirma a secretária numa clínica médica. “É metade da mensalidade de um plano”, lamenta.

NAS CAPITAIS

Com a revisão, o valor tarifário da Região Metropolitana do Cariri se aproxima dos cobrado nas principais capitais do país, mas sem os benefícios oferecidos nestas cidades. Em Fortaleza, o valor da passagem é de R$ 2,75. Em Recife, R$ 2,85. Mais caros, Rio de Janeiro e São Paulo tem tarifa de R$ 3,80. O Cariri ainda não dispõe de Bilhete Único ou terminais de integração.

CRISES E REAJUSTES

A revisão tarifária de 13,62% é maior que os 7,47% de reajuste proposto pelo Governo Federal para o salário mínimo de 2017. O salário mínimo passará de R$ 880 para R$ 945,80, sendo abaixo da inflação de 2016. O trabalhador caririense com renda mínima que faz viagens 7 dias por semana, ida e volta, terá que dispor 11,8% do seu salário para bancar o deslocamento. 

NOVA TARIFA R$ 2,20 (ida e volta) = R$ 136,4 /mês
VELHA TARIFA R$ 1,90 (ida e volta) = R$ 117,8 /mês

Em meio à crise financeira, o aumento dos preços de produtos e serviços impacta na qualidade de vida pessoal de 88% dos trabalhadores brasileiros, diz pesquisa do Data Popular feita ainda em 2015 (no auge da inflação). Para bancar os novos preços, 84% dos entrevistados afirmam redução de gastos em áreas da vida social e cultural.

Sugestões de Leitura