15137535_1155359191186089_8986551813819736213_o
Arte e Cultura, Mostra Sesc, Reportagens 0

O que ficou da Mostra Sesc

A Mostra Sesc Cariri de Culturas acabou na última terça-feira (22), mas ainda é possível aproveitar do que ficou e do que o evento apresentou.

Ícaro Lira: Projeto Popular

projeto-popularr-icaro-lira-reproducao

“Se o Brasil é um país sem memória e os arquivos são como cemitérios, onde estarão nossos mortos? Em qual vala comum foi enterrada nossa história de luta?”.

Em Projeto Popular, com a curadoria de Beatriz Lemos, Ícaro Lira expõe fragmentos de pedras, panos, fotos, livros, vídeos, pedaços de jornais e até latas que contam histórias de massacres que, de alguma forma, remetem à situação atual do país. São casos de massacres como Canudos (1896-97), Caldeirão de Santa Cruz do Deserto (1937) e Messejana (2015).

A exposição continua no 5º andar do CCBNB (Juazeiro do Norte) até o dia 18 de janeiro de 2017.

Saiba mais

 

Alemberg Quindins: A Bola
Foto: Hélio Filho

Foto: Hélio Filho

Na vida de Alemberg Quindins, antes de vir a antropologia, o homem kariri e a música, veio o futebol. Ele reconstrói as cenas de gols, lances e dribles que imaginava na infância, ouvindo as narrações dos jogos pelo rádio. A Bola esteve na galeria do 4º andar do CCBNB e, após a Mostra, vai para o Museu Internacional de Arte Naif, no Rio de Janeiro, e depois segue para o Museu do Futebol, em São Paulo. A exposição ainda volta à Galeria de Arte Luiz Gastão Bittencourt, na Fundação Casa Grande.

Saiba mais

 

Grupo Ninho de Teatro: Poeira

13921193_1077749068984543_5379460335814796483_n

“Com acesso ampliado a outras referências culturais deixamos por vezes de olhar para as nossas. Poeira conta através das memórias de Mestres Populares, traços de nossa identidade cultural, nossa terra-raiz e quais são as Poeiras que a compõe”.

Saiba mais

 

Martinho da Vila / Alceu Valença

11

Enquanto o sambista carioca lançou um disco de inéditas, o maluco beleza lançou uma releitura de discos antigos. De bem com a vida, de Martinho da Vila, tem a participação de Criolo em duas faixas e conta com a regravação de uma composição que ele deu a Roberta Sá. Vivo! Revivo! tem direção do grande Lula Queiroga e faz um tributo ao disco Vivo, de 1976.

Resenha crítica do álbum De bem com a vida (O Globo) e Vivo! Revivo! (Jornal do Commercio)

Sugestões de Leitura