Cariri Sustentável, Colunas 0

O primeiro aterro de Juazeiro do Norte se prepara para iniciar operação

O aterro sanitário é o segundo do Cariri e deve resolver o problema do lixão da cidade

Localizado na Rodovia Padre Cícero, ao lado do lixão da cidade, o aterro sanitário de Juazeiro do Norte espera a licença de operação para começar a funcionar. A iniciativa é da empresa paulista Construrban, que escolheu o terreno de 15 hectares com as melhores condições para a construção de um aterro: é o mais distante possível do aeroporto, é vizinho ao terreno onde todo o lixo da cidade é despejado e ainda está sobre um escudo cristalino que impede a contaminação da bacia hidrográfica. A expectativa é que a liberação ocorra ainda em agosto deste ano.

Nathália Cruz, tecnóloga em Saneamento Ambiental, é gerente regional da Consturban em Juazeiro. Ela conta que, além do benefício ao meio ambiente, a construção do aterro também tem importância social: “O aterro conta com um espaço para os catadores, com centro de triagem, prensa, esteira e balança. Eles poderão ficar com o que for reciclável”, diz. O aterro tem ajudado a associação de catadores a se organizar. Quem trabalha no lixão corre constantes riscos de contaminação e acidentes, já que incêndios na área são comuns. No aterro, os 130 catadores têm vestiário e refeitório.

A Política Nacional de Resíduos Sólidos é de 2010, mas só agora tem exigido ação dos governos. A “destinação ambientalmente adequada” e a meta de reciclagem de 20% do lixo produzido no Brasil faziam parte da PNRS, mas nada disso foi posto em prática. No Ceará, apenas três municípios, além do Juazeiro, estão de acordo com a norma e aterram seus resíduos: Fortaleza, Caucaia e Brejo Santo.

A Construrban, que desde 1995 trabalha no ramo da limpeza urbana, já tem experiências bem sucedidas de aterros em São Paulo, Distrito Federal, Rio de Janeiro e até no Peru. O investimento das construções em Juazeiro do Norte podem ter ultrapassado R$ 2 milhões. Dos 15 hectares de terreno, 10.ooo m² de área para aterramento já podem ser utilizadas, com vida útil de dois anos e capacidade para receber 400 toneladas por dias.

A EXPERIÊNCIA EM BREJO SANTO

O aterro sanitário de Brejo Santo, construído pela prefeitura municipal, com terceirização da Proex, funciona desde 2013 e é o primeiro do interior do Ceará. Na área de 30 mil m², 40 toneladas de lixo são aterradas todos os dias.

Mais informações (Diário do Nordeste)

Sugestões de Leitura