Notícias

“O cotidiano tem que ocorrer da maneira mais natural possível para uma criança com deficiência”, diz terapeuta

Mães, pais e familiares de crianças com alguma deficiência neurológica, em especial a microcefalia, participaram hoje, 26, e amanhã, 27, de cursos de terapia continuada e palestras na terceira edição do Ciclo Amar e Cuidar, evento realizado pela Associação das Mães Escolhidas (AME), em Juazeiro do Norte. O objetivo do evento é disseminar o aprendizado Saiba mais

Por Alana Maria • 26 de janeiro de 2018

Mães, pais e familiares de crianças com alguma deficiência neurológica, em especial a microcefalia, participaram hoje, 26, e amanhã, 27, de cursos de terapia continuada e palestras na terceira edição do Ciclo Amar e Cuidar, evento realizado pela Associação das Mães Escolhidas (AME), em Juazeiro do Norte. O objetivo do evento é disseminar o aprendizado e incentivar o compartilhamento de experiências entre essas famílias.

Nesta edição, é destaque a participação do Grupo Reabilitar, vinculado ao Centro de Reabilitação e Valorização da Criança (CERVAC) de Recife, Pernambuco, em palestras e breves cursos de técnicas terapêuticas de estímulo à criança no dia a dia.

 

Para mães e pais: Terapeuta recifense Erika Medeiros ensina técnicas de terapia continuada para atividades de estímulo no dia a dia (Fotos: Alana Maria)

 

Para a terapeuta recifense Erika Medeiros de Oliveira Santos, do grupo Reabilitar, apenas as técnicas exercitadas em consultório não bastam, é necessário que haja envolvimento familiar em “atividades de estímulo no cotidiano de cada casa”.

Em outras palavras, “os familiares aprenderão a identificar atividades de estímulo no dia a dia como, por exemplo, a oportunidade da criança ficar no chão para o desenvolvimento motor ou, ainda, a oportunidade de comer alimentos naturais, que são informações estratégicas visuais, olfativas, motoras… por fim, uma experiência de aprendizado”, explica.

 

EXCESSO DE PROTEÇÃO MATERNA

Assunto recorrente entre mães e pais, a terapeuta Erika atenta ainda para o excesso de proteção e controle em torno das crianças com deficiência. “Não se pode confinar a criança e tirar dela a liberdade de experimentar. A proteção deve ser na medida certa, sem que a mãe faça tudo pela criança. O aprendizado da criança será através de sua própria experiência”, comenta a especialista membro do Centro de Reabilitação e Valorização da Criança.

 

(Fotos: Alana Maria)

 

AMAR E CUIDAR

O Ciclo Amar e Cuidar é um evento realizado pela Associação de Mães Escolhidas (AME) e já promoveu debates com as temáticas “Crianças Deficientes no Cariri: Conhecendo as possibilidades, ampliando o horizonte e a qualidade de vida” e “Políticas públicas para crianças com deficiência neurológica no Cariri: o que temos e onde queremos chegar”.

 

ASSOCIAÇÃO DE MÃES ESCOLHIDAS

O AME é uma associação civil caririense composta por mães, pais, familiares e amigos de crianças com deficiências neurológicas e de modo em especial, as portadoras de microcefalia.

 

Enfermeiras, médicas, terapeutas, fisioterapeutas prestigiam o curso (Fotos: Alana Maria)

 

SERVIÇO

As inscrições podem ser realizadas através do link: https://goo.gl/4whikK

Data: 26 e 27 de Janeiro de 2018;

Local: Auditório do Hotel Verde Vale;

Vagas: Serão ofertadas 50 vagas, sendo 25 vagas destinadas aos pais e mães de pessoas com deficiência e 25 para os demais interessados

Carga horária: 16 horas

Público alvo: Pais e mães de Pessoa com Deficiência, cuidadadores, estudantes e profissionais de saúde.

Valor do investimento: R$ 60,00 para pais e mães sócios da AME

R$120, 00 para demais inscritos.

Organização: Associação das Mães Escolhidas -AME

Entidade promotora: Grupo Reabilitar

Ministrantes:

  • Albelena Lopes
  • Erika Medeiros de Oliveira Santos
  • Ana Maria Costa
  • Marcos Ferreira

Conteúdo do programático do curso:

  • Diferenças de metodologias no processo de reabilitação;
  • Caminhos para a reabilitação – CERVAC uma experiência de vida;
  • Tipos de deficiência, causas e prognóstico;
  • A importância da respiração na reabilitação e técnicas que ajudam a levar oxigênio ao cérebro;
  • O meio ambiente ideal para reabilitar crianças com deficiência;
  • Erros e acertos no caminho da reabilitação;
  • A importância da participação ativa das famílias e políticas públicas no enfoque de direitos e deveres;
  • Orientação das famílias quanto as técnicas e terapias que podem ser realizadas em suas familiais;

 

Clarice, filha de Eroneide (Fotos: Alana Maria)

 

LEIA MAIS:

A ciência não fala mais alto do que o nosso coração

CATEGORIA:

Alana Maria

Alana Maria Soares é jornalista da Cariri Revista desde 2015.
Formou-se pela faculdade de Jornalismo da Universidade Federal do Ceará (UFC), no campus Cariri, onde produziu o programa cultural Percursos Urbanos Cariri, pela UFC e CCBNB, entre 2012 e 2014. Pela Editora 309, ainda produziu a Casa Cariri Revista, o Manual Inteligente da Água, o Jornal Universitário da Unileão em 2016 e 2017, entre outros produtos editoriais.
RP: 0003947/CE