Políticas Públicas, Reportagens 0

Professores de Juazeiro do Norte debatem implementação da Base Nacional Comum Curricular

Enquanto o Ministério da Educação apresentava, ontem, 3, em Brasília, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Médio, em Juazeiro do Norte, centenas de professores e servidores da educação do município de Juazeiro do Norte, na região do Cariri, participavam da Conferência Municipal de Educação para a Implementação da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Infantil e Fundamental.

O documento centraliza as competências e habilidades que os estudantes devem dominar em cada fase da vida escolar e vai servir de referência para que todas as escolas do Ceará e do país criem seus projetos pedagógicos e currículos escolares, respeitando a conjuntura de cada local e organizando os arranjos regionais.

Juazeiro do Norte foi o primeiro município cearense a realizar sua conferência de sensibilização e mobilização para a implementação da Base Curricular para o Ensino Básico, segundo a Secretária de Educação, Maria Loureto de Lima.

 

Consultor pedagógico João Paulo Cêpa, da Fundação Lemman e do Programa Formar, apresentou o Documento Nacional e deu as primeiras informações e orientações (Fotos: Hélio Filho)

 

Professores e servidores da rede municipal de ensino, das Credes 18, 19 e 20, coordenadores do Programa de Aprendizado na Idade Certa (PAIC), Secretários Municipais de Educação de outros municípios do Cariri, bem como a Secretária Maria Loureto de Lima, de Juazeiro do Norte, e membros do Conselho Municipal e Estadual de Educação, assistiram palestra do especialista na área de Currículo e consultor pedagógico da Fundação Lemman e do Programa Formar, João Paulo Cêpa, que apresentou o Documento Nacional e deu as primeiras informações e orientações de como o município poderá desenvolver o Currículo e alcancar as metas do Plano Nacional de Educação, em vigor até 2024.

A Base Nacional Comum Curricular é Lei e sua necessidade está prevista no Plano Nacional de Educação. Ela deverá servir como documento referencial obrigatório para a criação dos currículos escolares. Segundo o consultor pedagógico João Paulo Cêpa, o documento induz o Estado assumir maior compromisso com a educação integral, visando o acolhimento, a formação e o desenvolvimento humano global, assim como o respeito à diversidade regional de cada localidade.

Veja mais abaixo alguns pontos principais da BNCC.

 

Secretária de Educação, Maria Loureto.

 

AVANÇOS

Em fala de pública, a Secretária Loureto lembrou as mais recentes conquistas do munícipio, como a boa classificação no Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece) e a obtenção do Selo Verde Escuro, que representa as altas escalas no Sistema. Apontou, também, a reforma infraestrutural nas escolas e a aquisição de novos equipamentos com a abertura do processo de licitação para a compra de computadores que, em suas palavras, incentivará a pesquisa e a vontade de aprender.

Reforçou, ainda, os investimentos materiais e imateriais pela proficiência dos alunos, pela formação dos professores e lembrou que “é no espaço da escola que se faz a transformação social”, em um pedido de que todos os dias se eduque com carinho, afeto, responsabilidade e humildade.

Durante a Conferência, o Prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, foi homenageado pela Fundação Lemman com o troféu Formar pelos esforços do município para com a Educação. A Fundação Lemman e o Programa Formar são parceiros de Juazeiro do Norte na efetivação das práticas em gestão e procedimentos pedagógicos. Emocionado, Arnon Bezerra lembrou que o “desenvolvimento só vem através da educação” e reafirmou o compromisso do município com esse direito. “Estou vendo que Juazeiro do Norte se propõe a fazer uma nova história e ser parceiro de cada município da Região do Cariri e do Estado do Ceará. Em nome dos nossos filhos e dos nossos netos, meu muito obrigado”, agradeceu.

 

Prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, foi homenageado pela Fundação Lemman com o troféu Formar pelos esforços do município para com a Educação.

 

Competências que a Base exigirá:

  • Entender e explicar a realidade atual através dos conhecimentos historicamente construídos;
  • Exercitar a curiosidade intelectual e buscar soluções no conhecimento, por conta própria;
  • Desenvolver o senso estético para apreciar obras de expressão artística e cultural;
  • Utilizar as linguagens – verbal, científica, tecnológica, digital – para se expressar e trocar informações;
  • Compreender e fazer uso crítico e produtivo das tecnologias digitais disponíveis;
  • Entender e reconhecer as suas capacidades relacionadas ao mercado de trabalho;
  • Argumentar com base em fatos concretos e confiáveis em nome da defesa do ser humano e do meio ambiente;
  • Desenvolver autoestima e aprender a cuidar de sua saúde;
  • Exercer a empatia, o diálogo e a convivência com pessoas dos mais diferentes grupos sociais, origens e orientações;
  • Agir com autonomia e responsabilidade, tomando decisões éticas e comprometidas com o bem comum.

 

Alguns pontos da Base Nacional Comum Curricular:

  • Igualdade em oportunidades de ingresso e permanência na escola;
  • Equidade para a superação das desigualdades históricas, que pressupõe reconhecer que as necessidades dos estudantes são diferentes, como os povos indígenas originários e as populações das comunidades remanescentes de quilombos e demais afrodescendentes, e igualmente, requer o compromisso com os alunos com deficiência, reconhecendo a necessidade de práticas pedagógicas inclusivas e de diferenciação curricular, conforme estabelecido na Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.146/2015).
  • Contextualizar os conteúdos dos componentes curriculares, identificando estratégias para apresentá-los, representá-los, exemplificá-los, conectá-los e torná-los significativos, com base na realidade do lugar e do tempo nos quais as aprendizagens estão situadas;
  • Decidir sobre formas de organização interdisciplinar dos componentes curriculares e fortalecer a competência pedagógica das equipes escolares para adotar estratégias mais dinâmicas, interativas e colaborativas em relação à gestão do ensino e da aprendizagem;
  • Selecionar e aplicar metodologias e estratégias didático-pedagógicas diversificadas, recorrendo a ritmos diferenciados e a conteúdos complementares, se necessário, para trabalhar com as necessidades de diferentes grupos de alunos, suas famílias e cultura de origem, suas comunidades, seus grupos de socialização etc.;
  • Conceber e pôr em prática situações e procedimentos para motivar e engajar os alunos nas aprendizagens;
  • Construir e aplicar procedimentos de avaliação formativa de processo ou de resultado que levem em conta os contextos e as condições de aprendizagem, tomando tais registros como referência para melhorar o desempenho da escola, dos professores e dos alunos;
  • Selecionar, produzir, aplicar e avaliar recursos didáticos e tecnológicos para apoiar o processo de ensinar e aprender;
  • Criar e disponibilizar materiais de orientação para os professores, bem como manter processos permanentes de formação docente que possibilitem contínuo aperfeiçoamento dos processos de ensino e aprendizagem;
  • Manter processos contínuos de aprendizagem sobre gestão pedagógica e curricular para os demais educadores, no âmbito das escolas e sistemas de ensino.

Sugestões de Leitura