Arte e Cultura, Reportagens 0

Fabrício da Rocha estreia no Crato sua nova turnê

‘Euphonia’ estará em cartaz na Casa Ninho durantes os sábados de abril

A partir deste sábado (8), o fortalezense Fabrício da Rocha estreia sua mais recente turnê na Casa Ninho. O espetáculo reúne canções da Breculê, banda da qual Fabrício faz parte, e traz também composições criadas nos últimos três anos e mais duas adaptações de poemas de Socorro Acioli. Euphonia é um espetáculo solo e autoral, onde Fabrício é acompanhado apenas pelo seu violão. Fica em cartaz na Casa Ninho nos dias 08, 15, 22 e 29 de abril.

Fabrício da Rocha, 32 anos, foi violonista, arranjador e compositor da Breculê, criada em 2007. Desde 2012 no Cariri, no ano seguinte ele firmou parceria com o flautista pernambucano Junior Crato. A dupla montou o espetáculo Selestrial”, com releituras de Hermeto Pascoal. Em 2015, estreou no teatro om o espetáculo La Cantante ¿Por qué no?, acompanhando o ator Rodrigo Rocha. Agora em trabalho solo com o Euphonia, Fabrício canta, entre outras músicas, poemas de Socorro Acioli, retirados do livro Inventários do Segredo.

Fotos: Pâmela Soares

O músico cearense lança seu primeiro show solo autoral com uma expressão mais intimista e orgânica, que toma forma e ganha vida a cada acorde

Após três anos de criação, Fabrício da Rocha sobe aos palcos para apresentar Euphonia.  Em um projeto autoral, o artista mostra ao público a relação mais intrínseca, virtuosa e intuitiva com a sua arte. Nele, são apresentadas canções, peças instrumentais de violão, e instrumentais com vocalize, no qual traz à tona a busca pelo seu som mais íntimo, e expressão da sua alma. Conta com poemas musicados do livro Inventário de Segredos, da escritora cearense, Socorro Acioli, além de canções que marcaram vários momentos de sua carreira, como “Teu Olhar”, sua primeira composição, e primeira parceria com Pedro Fonseca. Explorando de forma harmônica e percussiva, o violão em suas mãos se torna uma orquestra.

Natural de Fortaleza, Ceará, floresceu na música de forma totalmente autodidata. No baú das influências, carrega nomes como Tom Jobim, João Bosco, Villa-Lobos, Debussy e Tchaikovsky. Em suas composições, bem desenvolvidas e executadas, apresenta um violão limpo, um dedilhado singular e uma voz afinada que desperta a atenção dos ouvidos atentos e encanta os mais desavisados.

Firmou-se no cenário autoral cearense com o grupo Breculê, onde se destacou como compositor e violonista. O projeto foi criado em 2007 e com um duo de violões, baixo e trio percussivo desenvolveu-se um trabalho dedicado à música brasileira. Em 2013, criou, em parceria com o flautista pernambucano, Junior Crato, o espetáculo instrumental “Selestrial”, que apresenta ao público a genialidade de Hermeto Pascoal, com releituras ousadas de suas composições mais expressivas. Em 2015 estreia no Teatro com o espetáculo La Cantante ¿Por qué no?, em parceria com o ator Rodrigo Rocha.

 

Sugestões de Leitura