Fotografia, Revista 0

ENSAIO | O olho do estrangeiro

Emrah Kartal vê o óbvio, mas tenta enxergar além dele. O sociólogo turco chegou ao Brasil em 2014, enquanto “a coisa toda” começava a ferver, e passou a fotografar o que via nas ruas. No Rio de Janeiro, produziu o trabalho Título, com registros das manifestações que tomaram conta do país durante a Copa do Mundo. O timing e o tema não poderiam ser mais perfeitos: ele teve contato com a língua de Luís de Camões quando foi a Portugal fazer mestrado em Jornalismo e estudar o discurso de ufanismo nos meios de comunicação, comparando os casos da Turquia na Copa de 1966 e do Brasil na de 1970. Após as manifestações, Emrah passou a registrar a folia de reis carioca — que acabou trazendo-o para o reisado do Cariri.

Se foi o faro de jornalista que atraiu Emrah até o Rio, é o olhar de cientista social que o mantém no Cariri. Ele diz não morrer de amores pela região, mas sabe apreciar o que ela tem de bom. “Tem vários artistas que encontrei aqui que amam essa terra, que se mudaram, ficaram aqui, gostam de viver uma vida aqui. Mas eu não tenho isso. Eu trabalho aqui, tô criando projetos no Cariri. Eu não tenho esse fetiche pelo lugar. Eu olho lado positivo e o lado negativo”, ele conta.

Para este ensaio, Emrah nos mostra fotos que fazem parte do trabalho Uma parada inevitável.

 

 

 

 

 

 

 

Sugestões de Leitura