editada1.1
Consumo e Estilo, Esporte, Reportagens 0

Do tatame para a vida

Atualmente, o Cariri tem nove organizações especializadas no esporte e já se contam campeões mundiais, pan-americanos, brasileiros e interestaduais

Cicero Sebastião está com o pulso machucado. Depois de ser campeão pela primeira vez, na Copa Cariri Norte/Nordeste do Crato, em 2012, o estudante de 23 anos não quis mais parar de competir. Atualmente na faixa roxa, o atleta já conquistou 27 medalhas e, dentre elas, está o título de terceiro lugar no Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu e o quarto lugar no Jogos Pan Americanos de 2014.

Sebastião já percorreu quase todas as capitais do Nordeste e Sudeste para lutar. Quando ele veste o quimono azul, assume um compromisso com a disciplina. “O treinamento é muito rígido, você tem de se doar muito”, ele confessa. Quem começa, geralmente procura aprender técnicas de defesa pessoal, mas, entre triângulos, chaves de pé e mata-leões, acabam se instigando a participar de competições.

O Jiu-Jitsu é uma arte marcial indiana que ficou mais conhecida quando passou pelo Japão. No Brasil, ela se desenvolveu por volta do ano de 1913, com o objetivo de recepcionar os imigrantes japoneses e fixar eles no país. O grande objetivo do esporte é usar o corpo como instrumento de combate, visando o equilíbrio e domínio diante dos golpes.

LINDO D EMAIS AFF

O atleta Cícero Sebastião

Para encarar a arte marcial é preciso dedicação. Os adeptos do esporte, dividem a sua rotina na equação entre perder peso, treinar muito e comer pouco. Nos treinos preparatórios para as competições, o atleta chega a perder até 2kg. “Eu tento retirar o máximo de lições que posso. É uma coisa que o mestre passa muito, encarar o que acontece comigo como uma luta. Das derrotas, tirar lições”, relata o atleta.

 

JIU-JITSU NO CARIRI

“O Cariri é bem representado lá fora”, garante o professor Yoshinori Morimitsu da Kimura Nova União Cariri, mais conhecido como Japa. No quadro de alunos da academia, no qual Sebastião é um deles, já se contam campeões mundiais, pan-americanos, brasileiros, interestaduais e entre outros. Só em 2015 já foram aproximadamente 200 medalhas conquistadas.

“É prazeroso quando se nota o resultado e as pessoas veem seu esforço. Pelo menos para mim, isso é bem mais importante que medalha”, completa Sebastião. Para o atleta, a grande meta no início era conquistar a faixa preta, mas desde que começou a competir, quer ganhar o campeonato mundial na Califórnia. Para isso, ele já está economizando e diz que a ajuda de patrocinadores seria muito importante.

Conseguir patrocínio, na maioria das vezes, é o mais complicado. De todos os alunos, apenas Sebastião recebe apoio para dar aulas de Jiu-Jitsu e representar a Universidade Federal do Cariri em competições. Ainda assim, Japa não desanima. “Somos uma família”, assinala. A União também organiza aulões, bingos e palestras para conseguir fundos e custear as viagens para campeonatos e garantir o necessário para a desenvoltura dos atletas.

JAPAZ

O mestre Japa

Com o passar dos tempos, a equipe Kimura foi crescendo e, de escola de Jiu-Jitsu, passou para academia de esportes, adquirindo mais espaço. Atualmente, a organização trabalha com Judô infantil, Muay Thai e práticas de condicionamento físico. “Mas o carro chefe é o Jiu-Jitsu. É uma modalidade que está crescendo muito”, diz o professor, explicando que a procura pela prática esportiva tem aumentado. Pai de duas meninas, o mestre explica que o esporte faz ele ser um marido, pai e professor melhor. “Vivo de Jiu-Jitsu 24 horas por dia. Ele me ensina a não explodir e contar até dez”, brinca.

2

Outra organização que trabalha com o Jiu-Jitsu e vem ganhando espaço na região é a Profit em Juazeiro. Há um ano e meio no Cariri, a academia também traz a modalidade de musculação, Muay Thai, a dança zumba, ginástica e treinamento funcional. O professor Vitor de Menezes Gomes garante que instalações de Box de Crossfit já estão sendo finalizadas, mas diz que o esporte mais procurado é o Jiu-Jitsu. “Já temos 60 atletas, em sua maioria são competidores, onde vários títulos já foram conquistados, como campeonatos brasileiros, estaduais, mundiais e pan-americanos”, diz ele, um dos três professores de Jiu-Jitsu da academia, faixa marrom segundo grau.

12290495_984460848278845_36835662_o

Tabela de faixas no Jiu-Jitsu

 

 

SERVIÇOS:

Kimura Nova União:
Av. Leão Sampaio n.1990 A  – Juazeiro do Norte
(88) 9-9624-7163

Profit:
Possidônio Bem, 397 – Lagoa Seca, Juazeiro do Norte
(88) 3571-1644

 

Sugestões de Leitura