Arte e Cultura 0

Bienal Internacional de Teatro do Ceará chega ao Cariri; apresentações começam hoje (17)

Depois de passar por Fortaleza (CE), chega a vez da Bienal Internacional de Teatro do Ceará (BITCE) seguir com a trupe para as cidades de Juazeiro do Norte (17 e 18/11), e Crato (19 e 20/11). Com o tema Teatro, Mito e Feminino: Conexões, a Bienal apresenta ao público personagens da dramaturgia universal e brasileiras, dos mitos e da história. Dedicada às mulheres do mundo em cena, o evento abrange nesta edição quatro cidades e ocorrerá em duas partes, uma agora em novembro e a outra em março de 2018.

Na terra do Padre Cícero a programação acontece entre os dias 17 e 18 de novembro, e passa pelo Memorial Padre Cícero e Centro Cultural BNB Juazeiro do Norte. Segue depois para o Crato com permanência de dois dias na cidade, de domingo (19) a segunda-feira (20), no palco do SEST/SENAC. Toda a programação é gratuita e a classificação etária de 18 anos.

Da programação

Após a solenidade de abertura no Memorial, a programação segue na sexta-feira (17/11), com o Seminário Internacional Teatro, Mito e Feminino: Conexões, mesmo formato feito em Fortaleza, mas acrescentando outros temas sociais.  O encontro ocorre entre 14h e 17h, com as participações de Luciana Dantas (BR-CE) – Beata Maria de Araújo: mito e história (BR/CE); Daciane Barreto (BR-CE) – Barbara de Alencar: da história ao mito; e Teresa Esmeraldo (BR/CE) – Gênero como performance (UECE).  Na programação mais duas intervenções culturais. A partir das 19h o espaço fica com o espetáculo: Violetas da Aurora – Uruba, de Fabiana Pirro (BR-PE) e às 20h encerra com a apresentação Amazônicas do mundo (Mitologia Indígena Desana Kehiripõrã) – Acácia Mié Pantoja da Gama (BR/AM).

A Bienal Internacional de Teatro também vai na sexta-feira (17), às 19 horas, para o Centro Cultural Banco do Nordeste Juazeiro do Norte. No espaço o teatro e a arte de fantoches em cordas Periplo Varité e uma breve trajetória da Compañía Périplo Marionetas (Espanha/Madrid).  Já no sábado (18) entra em cena as Multiresidências/Intercâmbios entre criadores/Vivências estéticas poéticas éticas técnicas, com a participação de Adelice Souza (BR/BA) da Universidade Federal da Bahia – UFBA trazendo Kali: a palavra é uma deusa, em dois horários 9h e 14h.

À noite, ás 19h, sob no palco o Experimento Cênico As Troianas, de Francinice Campos (BR/CE). No horário das 20h tem marcado o espetáculo Obscena. Um encontro com Hilda Hilst, de Fabiana Pirro (BR/PE).  A programação de sábado termina às 21 horas com ETNOCENA, Experimentos Cênicos Cajuína, de Alysson Amâncio (BR/CE) e Djuenas Tikuna (BR-AM), artista indígena, cantora e atriz da tribo Tikuna da Amazônia.

A Bienal segue para a cidade de Crato. No domingo (19), ás 19h, a programação passa pelo SESTSENAT CRATO com Experimento Cênico: o espetáculo: Amazônicas, poéticas do mundo (Mitologia Indígena Desana Kehiripõrã) – Acácia Mié Pantoja da Gam (BR/AM). Na segunda-feira (20), às 9h, chega a vez da Escola Pública do Crato assistir ao espetáculo: Periplo Varité e uma breve trajetória da Periplo Marionetas (Espanha/Madrid). A Bienal retorna na segunda-feira (20) para o SESTSENAT CRATO com quatro apresentações. Às 17h o público pode assistir Violetas da Aurora – Uruba – de Fabiana Pirro (BR/PE); às 19h, a Aula-Espetáculo: Kali. Drama-oração de Adelice Souza (BR/BA); às 20h, Periplo Varieté e uma breve trajetória da Periplo Marionetas (Espanha/Madrid) e encerra às 21h com ETNOECNA – Experimentos Cênicos – Ritual de encerramento com Marimbondo & Florinda – Fabiana Pirro e Johan (Brasil/Pernambuco); e Djuena Tikuna (BR/AM – artista indígena, cantora e atriz da tribo Tikuna da Amazônia.

Cultura em números

O evento acontecerá em quatro cidades de três macrorregiões, totalizando 57 apresentações, com acesso gratuito. Durante dez dias, participarão 44 grupos/artistas entre pesquisadores/criadores, solistas, técnicos, assistentes, produtores e equipes. Envolvendo diretamente 200 trabalhadores da cultura e mais 500 beneficiados, indiretamente, nas etapas de novembro de 2017 e março de 2018.

Sobre a Bienal

O projeto nasceu das inquietações da pesquisadora e feminista Maria Rejane Reinaldo, diretora da Escola Livre da Boca Rica.  Em seu trabalho acadêmico, pesquisou, desenvolveu e defendeu a tese Pentesileia, a rainha das Amazonas – travessias de uma Personagem, aprovada no Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia, em 2015, com apresentação pública no Teatro Martin Gonçalves da Escola de Teatro da UFBA, em Salvador.

Apoios e parcerias

O projeto está aprovado pela Lei Federal de Incentivos Fiscais e foi selecionado no último Edital Cultural do Banco do Nordeste do Brasil S/A e conta com o apoio da Secretaria da Cultura de Juazeiro do Norte – BR/CE, Secretaria da Cultura de Crato – BR/CE, Secretaria da Cultura de Sobral – BR/CE, Instituto ECOA- BR/CE, Secretaria da Cultura de Fortaleza – BR/CE, Centro Cultural Belchior-BR/CE, Casa Amarela Eusélio Oliveira da UFC – BR/CE, Coordenadoria da Mulher do estado do Ceará-BR/CE, Universidade Estadual do Ceará-BR/CE

Universidade Sorbonne III – FRANÇA/Paris, Universidade de Roraima – RO/Boa Vista, Teatro da Boca Rica e Escola Livre Teatro da Boca Rica – BR/CE e parcerias da Secretaria da Cultura do estado do Ceará ,Universidade de São Paulo-USP, Associação Educativa Cultural Teatro da Boca Rica – BR/CE, Arqueosocio – BR/CE, Instituto Tembetá BR/CE, Associazione Arlenika – Palermo/ITCentro Cultural BNB Fortaleza-BR/CECentro Cultural BNB Juazeiro do Norte- BR/CECentro do Teatro e Canto Vocal “O CORPO DA VOZ” – Palermo/ IT, Centro Dragão do Mar de Arte e Cultural-BR/CE, Cia Palmas Produções Artísticas – BR/CE, Cia Teatro Balagan – BR/SP, Cia Vitoria Regia – BR/AM, EM PAUTA PRODUÇÕES – BR/CE, F174Studio – BR/CE, Gameleira Artes Integradas – BR/ BA, GEEON – Grupo de Educação e Estudos Oncológicos, do Departamento de Cirurgia da UFC – BR/CE, Laboratório de Canto Miriam Palma Palermo/IT, Laboratório Mediterrâneo Mito e Teatro – Palermo/IT, LUMIAR Comunicação e Consultoria – BR/CE, Memorial Padre Cícero­- BR/CE, NUPROCE – BR/CE, Progetto Amazzone – Palermo/IT, Projeto Amazonas/ Brasil – BR/CE, PROPONO Consultoria Executiva, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará-BR/CE; Universidade de São Paulo USP-BR/SP; e Universidade Federal da Bahia UFBA – BR/BA;

Serviço: I Bienal Internacional de Teatro do Ceará – BITCE

Acesso: Toda a programação é gratuita. O acesso aos espetáculos se dará por ordem de chegada. A participação nas ações formativas será por ordem de inscrição no endereço: bienaldeteatrodoceara@gmail.com


Foto de destaque: Apresentação e Cajuína, de Alysson Amancio. Foto: Souza Júnior.

Sugestões de Leitura